Segurança brasileira é debatida nos Estados Unidos

Segurança brasileira é debatida nos Estados Unidos


11 de setembro de 2001 e o atentado de Boston, não chegam nem perto das tragédias diárias que nós brasileiros sofremos continuamente na terra do povo mais alegre do mundo, que em fevereiro tem carnaval, Deus é tido como brasileiro e tudo sempre é uma enorme festa.

Mas os americanos, com suas tragédias, e as mesmas que cometem com o mundo, querem discutir, e perceber o que está acontecendo com o Brasil. Neste mês, dois grandes eventos internacionais acontecem em território americano, que discutem sobre a pauta de segurança empresarial, e integrada com a segurança pública e internacional. E no quesito, segurança no Brasil, o tema é sobre a segurança de grandes eventos, e para estes simpósios o brasileiro Igor Pipolo foi escolhido pela sua vasta experiência com grandes eventos, e atividades com grandes empresas brasileiras.

No dia 01 de maio, aconteceu a conferência internacional dos diretores e líderes de segurança das cidades e Estados americanos, o especialista brasileiro abordou os temas referente aos problemas de segurança no Brasil, os últimos eventos, e principalmente os próximos eventos esportivos que acontecerão no país. O evento aconteceu no Bergen County Law & Public Safety Institute em Mahwah, New Jersey.

Já no dia 09, em Nova York, o especialista brasileiro irá ministrar palestra sobre o tema de segurança em grandes eventos no maior simpósio americano da sociedade americana de segurança, onde os temas de terrorismo e utilização de grandes eventos como foco e objetivos serão tratados como prioridades. A palestra do brasileiro tem um enfoque especial considerando os próximos eventos no Brasil, e para muitas agências de inteligências e governos, o Brasil tem um contínuo conjunto de erros e riscos. Para muitos a segurança pública brasileira favorece o desenvolvimento de atividades terroristas, e de grupos criminosos internacionais que podem utilizar os próximos eventos como chamariz de um movimento de terror mundial.

O mundo está preocupado demais conosco, será que nós estamos da mesma forma?