Segurança hospitalar agora é obrigatória

Segurança hospitalar agora é obrigatória


Números alarmantes preocupam os setores da saúde. No Brasil, um em cada dez pacientes atendidos em hospitais sofre algum tipo de evento adverso, como queda, falha de identificação, erro em procedimento ou medicamento e infecções, segundo estudo da Fiocruz. Do total, 66,7% das ocorrências poderiam ser evitadas com medidas de segurança do paciente no ambiente hospitalar.

Para minimizar esses números, o Ministério da Saúde, juntamente com a Agência Nacional da Vigilância Sanitária (Anvisa), lançaram um programa que visa reduzir esses incidentes e aumentar a segurança hospitalar. Entre os pontos abordados está a obrigatoriedade da implantação de um Núcleo de Segurança do Paciente, para promover a cultura da segurança e orientar acompanhantes e familiares.

Assuntos relacionados aos eventos adversos ou danos em função de erros médicos, negligência ou imprudência ganharam mais visibilidade a partir de 1999, principalmente nos Estados Unidos, com a publicação do relatório “Errar é Humano”, do Institute of Medicine (IOM). No Brasil, o assunto veio à tona em 2004, ano em que a Organização Mundial de Saúde (OMS) lançou a Aliança Mundial para a Segurança do Paciente, ampliando a necessidade de ações locais para reduzir os números de casos.

Dando prioridade à importância da segurança do paciente, o Hospital VITA lançou em 2008 o Núcleo de Gestão de Segurança Assistencial (NGSA). Composto pelo Núcleo de Epidemiologia Hospitalar e Núcleo de Controle de Infecção Hospitalar, o NGSA tem como objetivo diminuir a exposição do paciente ao risco.

 “Traçamos o perfil epidemiológico dos usuários do Hospital e os possíveis riscos aos quais estão expostos, para desenvolver barreiras de proteção nos diversos níveis do fluxo assistencial, com caráter multidisciplinar, reduzindo ou mitigando os danos que porventura possam ocorrer”, afirma a coordenadora do Núcleo e infectologista do Hospital VITA, Marta Fragoso.

Dois anos após o lançamento do NGSA, a OMS definiu que o termo “segurança do paciente” seria a redução dos riscos de danos desnecessários associados à assistência, mediante recursos disponíveis e contexto em que a mesma foi realizada. Devido à essa definição, Marta acredita que o Hospital se destaca dos demais estabelecimentos de saúde. “O Grupo VITA tomou a frente nessa visão de segurança do paciente além das exigências da época”. E complementa: “A cultura da segurança permeia todos os níveis assistenciais nos Hospitais VITA, considerando o pioneirismo na área e os seus objetivos estratégicos que primam pela qualidade e segurança assistencial, com certificações nacionais e internacionais. Hoje não teremos dificuldades para evidenciar o cumprimento da nova legislação”.

Sobre o VITA Curitiba - Inaugurado em março de 1996, o VITA Curitiba foi o primeiro hospital brasileiro a conquistar, no início de 2008, a Acreditação Internacional Canadense CCHSA (Canadian Council on Health Services Accreditation). A certificação de serviços de saúde avalia a excelência em gestão e, principalmente, a assistência segura ao paciente. O hospital possui também o nível de excelência na certificação nacional da Organização Nacional de Acreditação (ONA) e é um dos hospitais multiplicadores do Programa Brasileiro de Segurança do Paciente (PBSP), que visa disseminar e criar melhorias inovadoras de qualidade e segurança do paciente. Integra também o grupo de hospitais da Associação Nacional de Hospitais Privados – ANAHP.

O VITA Curitiba oferece atendimento 24 horas e é referência nas áreas de cardiologia, cirurgia geral, neurologia, pediatria, medicina de urgência e ortopedia. Além disso, dispõe de um completo serviço de medicina esportiva, prestando atendimento a atletas de diversas modalidades. O Hospital possui 119 leitos, sendo 24 de UTI Geral, 10 de UTI Pediátrica, sete salas cirúrgicas, Centro Médico e Centro de Diagnósticos.

Sobre o VITA Batel - A segunda unidade do Grupo VITA, no Paraná, foi inaugurada em dezembro de 2004 com o objetivo de oferecer atendimento aos casos de média e alta complexidade, na região central da capital, com ênfase nas áreas de cardiologia, cirurgia bariátrica, cirurgia geral, medicina de urgência, neurocirurgia, urologia, terapia intensiva e traumato-ortopedia. Em 2009, obteve a Acreditação ONA Nível 2 e em 2010, recebeu a Acreditação ONA em nível de Excelência. Em 2011, o hospital passou a integrar a Associação Nacional de Hospitais Privados – ANAHP, que reúne hospitais privados do Brasil e tem como principal diretriz a qualidade de atendimento prestado pelas instituições hospitalares. No início de 2013, recebeu o Certificado Accreditation Canada International (ACI – Acreditação Internacional Canadense). A instituição é a segunda do Sul do Brasil a ser acreditada – a primeira foi o Hospital VITA Curitiba, também do Grupo VITA. A unidade também é reconhecida internacionalmente pela Surgical Review Corporation (SRC) como Centro de Excelência em Cirurgia Bariátrica e Metabólica.

O VITA Batel 88 leitos, sendo 23 de UTI, seis salas cirúrgicas e centro de diagnósticos.